Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Crónicas de uma menina da mamã

"Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas" Antoine de Saint-Exupéry

Existir ou não existir? Eis a questão

Já há algum tempo, mais precisamente 16 meses e 21 dias (mas quem é que está a contar?), que escrevi o seguinte post e para grande surpresa minha #sqn verifiquei que mudam-se os tempos mas não se mudam as vontades, ou neste caso, as mentalidades.

É certo que de quando em vez publico nas minhas redes sociais alguns momentos meus e dos meus, contudo porém continuo a não publicar tudo o que faço, com quem faço, a que horas o faço, como o fiz, onde vou, onde fui, onde gostaria de ir e por aí adiante. "Vira o disco e toca o mesmo", passados estes 16 meses e 21 dias ainda há quem pense que eu não saio de casa.... Assustador certo? Certo!!! Para certas pessoas, para outras nem tanto. O meu círculo de amizades é relativamente pequeno e estamos juntos praticamente todos os fins de semana, mal seria se eu publicasse uma foto de um café com o X, de um jantar com a Y ou de um passeio com o M, o N e o O, já tinha um álbum virtual do catano.

Sim eu sei o que estão a pensar, se me queixo tanto porque é que não apago o Facebook? Porque esta "ferramenta" virtual permite-me estar em contato com amigos e familiares que não se encontram no país e até para reencontrar pessoas que já não via há mais de 15 anos, como sucedeu este ano num jantar de reunião da minha antiga turma da escola secundária.

Eu já me apercebi, mal seria, que não vale a pena dizer que fiz isto, aquilo ou outro porque se não está numa rede social é porque não o fiz, ponto final parágrafo. E eu lá vou deixando que pensem o que querem: "Você não pode mudar o tempo mas pode ajustar as velas" já dizia e escrevia Confúcio.

Nem tudo é mau mas também nem tudo é ótimo, vai-se papando vá!

Este assunto sobre o Facebook veio novamente à baila, sendo que já tinha falado do mesmo aqui no blog por diversas vezes, pelos motivos que supra indiquei e também porque vi um vídeo que reflete o modo como a maioria de nós encara a vida neste momento, vivemos para o virtual quer queiramos quer não.

Ora então observem lá esta pérola:

(Vídeo retirado daqui)

Moral da história e do post: continuem a publicar cenas no Facebook em particular e nas redes sociais em geral não vá o Diabo tecê-las e a malta pensar que vocês não existem... Ou não têm vida.... Como eu....

P.S. Eu não publiquei fotos da Consoada mas juroooo que celebrei esta festividade, bem como o dia de Natal em si, verdade verdadinha.

 

#Instastories

Eu sou, provavelmente, das poucas pessoas que possui dois Instagrans (o pessoal e o do blog) e que nunca fez uma instastorie, ou em português, uma instagram stories (português lol).

Diz que disse que foi a ferramenta virtual que destronou o Snapchat, uma rede social que na minha opinião apenas serve para tirar fotos e gravar vídeos com orelhinhas, corações e florzinhas na cabeça, já tive a aplicação, já a apaguei e faz-me tanta falta como a fome e a porrada.

Mas voltando às instastories

Com novas ferramentas de texto e desenho, o Instagram Stories, tal como as restantes fotografias e vídeos do perfil, só podem ser vistas pelos seguidores, no caso de uma conta privada. É possível ainda bloquear determinadas pessoas nesta funcionalidade. Ao contrário do "feed" normal, no Instagram Stories não são permitidos "likes" ou comentários. Quem o quiser fazer pode usar o Instagram Direct e contactar o autor em causa.

In Jornal O Público

Na minha modesta opinião de observadora de tal fenómeno julgo que se trata de uma aplicação que serve mais para o público que gosta de interagir diariamente nas redes sociais, não é o meu caso, raramente publico algo no meu Facebook ou Instagram pessoais, já não estou muito virada para aí, para mim já foi chão que deu uvas.

Mas contudo porém não critico quem as faz, pelo contrário, até gosto de ver. Qualquer dia vou fazer uma instanstorie no meu Instagram do blog, estejam atentos pode ser que saía num qualquer dia ou fim de semana perto de si!

37.jpg

 (Imagem retirada #daqui)

Alguém que me explique a piada disto!

Solicito a toda e qualquer alma caridosa que me explique, como se eu fosse muito loira, qual é a piada que os pré-adolescentes e adolescentes de hoje em dia acham a isto:

7.jpg

Vejo esta aplicação a ser usada e abusada por tudo o que é pré e adolescente em todas as redes sociais que têm acesso, faz-me uma certa espécie, sei lá porquê.... Qual é a piada de parecer que têm um focinho e orelhas de cão? Há dois ou três anos ainda andavam às turras com os pais porque já não se queriam mascarar de Dartacão e Julieta e agoram andam nestes propósitos nas redes sociais? Por favor!!

Também me intriga e me faz questionar se por esta altura eu tivesse a idade destas crianças, com o acesso a tudo que é tecnologia, apps e redes sociais faria o mesmo..... Quero pensar que não! Quero mesmo muito pensar que não!!

Twitter, sim ou não?

O Twitter é uma rede social que não tem grande impacto em Portugal (até rimou).

 

Já criei uma conta mas acabei por desactivá-la por não lhe achar lá grande piada, mas se calhar fui eu que não sou muito dada a seguir pessoas e/ou figuras públicas, a única vantagem que encontrei foi o facto de só se puder escrever cerca de 140 caracteres, o que nos livra das secas dos grandes testamentos que observamos no Facebook!

 

Qual de vocês tem Twitter? Quem tem aconselha? Como é que se lida com essa rede social?

 

Se puderem dêm-me aí uns conselhos e/ou ajuda para decidir se volto a criar nova conta ou não, e quais as vantagens e desvantagens.

 

Kikas

Sobre mim

foto do autor

Header by Mula
Ilustradora Mônica Crema

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D