Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Crónicas de uma menina da mamã

"Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas" Antoine de Saint-Exupéry

Me and my blog

Estava eu aqui a pensar para com os meus botões sobre o meu blog e cheguei à conclusão que nestes meses que se passaram criei por estes lados algo que me dá alegria, um certo orgulho até. Não me refiro somente ao blog em si mas à pessoa que sou aqui, e a pessoa que sou aqui é exactamente igual à pessoa que está atrás do ecrã, transparente e sem filtros.

Isso minha gente, nos dias que correm é motivo de algum orgulho, especialmente quando nos deparamos ou nos apercebemos que não há quem seja aquilo que quer demonstrar ser, que se escondem atrás de uma máscara de "wannabe", mas o facto é que se há pessoas que se sentem felizes desta forma quem sou eu para as criticar ou julgar?

Continuo aqui na minha vidinha, no meu blog, feliz e contente, sem falsas pretensões, sou o que sou, e há quem goste de mim e do meu blog assim, por isso me and my blog estamos aqui para lavar e durar!

 

#meandmyblog

(Hashtag patenteada)

 

Ah ganda Bob!

Foi anunciado ontem, para grande surpresa dos escritores em geral e do mundo em particular, que o vencedor do Prémio Nobel da Literatura de 2016 é nem mais nem menos do que Bob Dylan, o primeiro músico a ser dintiguido nesta categoria, ou em qualquer outra ligada aos Prémios Nobel, que se saiba não existem registos de um músico ter recebido algum Prémio Nobel da Medicina, por exemplo.

De acordo com a Academia Sueca o música foi distinguido "Por ter criado novas formas de expressão poética no quadro da grande tradição da música americana". Tenho que concordar, o Bob Dylan é de facto um grande poeta da música, escreveu uma vasta gama lista de músicas com uma qualidade e profundidade inegáveis, daquelas que nos fazem pensar sobre o que somos, o que queremos ser, fazer, sonhar, enfim um sem número de sentimentos.

Outra coisa que o Bob Dylan tem, e que me agrada tanto ou mais dos que as músicas. é o filho Jakob Dylan que podem ver Aqui , não possui o mesmo talento musical que o pai, apesar de também ser músico, mas é detentor de outras qualidades bastante apreciadas pelos membros do género feminino.

Parabéns Bob Dylan, és grande pá!

P.S. - Se formos pela ordem de ideias da Academia Sueca, o Quim Barreiros que compre já um bilhete para Estocolmo, é só o que vos digo!

P.S.S. - Este é o 56º post sobre o Prémio Nobel da Literatura de 2016 até à data e hora.

Das coisas que eu tenho medo na estrada

Existem algumas situações na estrada, enquanto condutora que me assustam, metem-me medo, arrepiam-me inclusive. Conduzir nos dias de hoje não é para todos, é apenas para os fortes, apenas os mais fortes conseguem superar os obstáculos diários com que nos deparamos ou os que se páram à nossa frente, os que conduzem a 30Km hora numa via rápida, a a 100Km dentro de uma localidade... Bom mas adiante!

A primeira coisa que me assusta na estrada sou eu própria, já são sobejamente conhecidas as minhas poucas aptidões enquanto condutora, porquanto até eu tenho medo de mim. A segunda é passar ou cruzar-me com alguém com as mesmas aptidões automobilísticas que eu possuo. A terceira que me assusta são os taxistas, taxistas em geral, aquele senhor taxista que proferiu aquela frase nojenta soberba sobre as leis, e sobretudo taxistas quando se cruzam com um carro da Uber. A quarta e última que me mete medo ao ponto de ficar com pele de galinha só de pensar nisso são as motas, as motas minha gente, um veículo motorizado como outro qualquer com a particularidade que pode surgir do nada tal qual um Dom Sebastião surgido do nevoeiro, medo!

Eu sei que existe algo que se chama "O significado dos sonhos", algo que acredito tanto como em unicórnios e fadas mágicas, mas será que existe alguma coisa que se chame "O significado dos pensamentos"? É porque já há uns tempos que ando a pensar que qualquer dia me esbardalho contra uma mota, ou uma mota contra mim, e gostava de saber o que é que isso significa, se souberem digam-me, ok?

Diário semanal de uma dieta - Cap.1

Olá eu sou a R. mas prefiro que me chamem Daisy - já que o meu nome de baptismo não é R. pelo menos que aqui seja um nome que goste e que por acaso também é o nome da namorada do Donald Duck, não do Donald Trump, do Duck mesmo - eu e a Kikas já somos amigas há muito tempo, já passámos por muita coisa juntas, ela já assistiu a muitas dietas minhas. eu nunca assisti a nenhuma dela a porca, mas sobretudo temos uma amizade inabalável, amizade essa que nem o tempo nem o peso separa.
A convite da Kikas vou estar por aqui semanalmente para vos relatar a minha luta diária contra o peso, contra a comida, contra as dietas, contra as balanças e também contra aqueles espelhos que nos aumentam mais do que somos e muito mais do que queremos, ah e contra as portas envidraçadas já agora.
Dieta dia 1:
Fui almoçar com a minha colega ao restaurante aqui ao lado, havia de tudo, tudo o que a minha mente e o meu corpo pediam, havia até coisas demais e se para as outras pessoas tudo o que é demais enjoa, para mim nem por isso. Mas consegui derrubar todos os meus obstáculos físicos, mentais, psicológicos e subconscientes e pedi uma dourada grelhada com uma salada, nhami que regalo. Logo após o terminus do almoço decidi pedir um café mas espera lá, alto, pára tudo, não se mexam! Cheira-me a bolo, cheira mesmo a bolo, mas eu não vou comer porque eu sou bastante forte quando quero, mas eis senão quando o pau de virar tripas da minha colega pediu de imediato uma fatia do bolo que tão bem me cheirou, e que ainda lhe consigo sentir o cheiro, com dois garfos. At first i was affraid i was petrified, ah desculpem desconcentrei-me e entusiasmei-me, continuando, eu fui rija, tínhamos uma fatia de bolo para dividir para as duas mas eu só comi uma garfada, grande, mas só uma. Orgulho! Se as minhas mãos conseguissem chegar às minhas costas até me dava umas palmadinhas para me congratular, a parte boa disto tudo é que consegui sobreviver a este almoço.

Até para a semana e boas dietas.

Daisy

Amanhã vai estrear nova rubrica num blog perto de si!

Amanhã dia 12 de Outubro, quarta-feira (um dia que ninguém desconfia) vai estrear uma nova rubrica aqui no meu blog.

Convidei a minha grande amiga, a minha melhor amiga, a R., para deixar aqui o seu testemunho sobre um tema com o qual muitas de nós nos identificamos: dietas!

Será uma espécie de "diário semanal" sobre dietas, comida, balança, perda de peso e afins. Tal como a maioria dos posts que eu publico aqui no blog, este assunto será abordado de forma leve e humorística, vão com certeza gostar de ler o que a R. irá relatar semanalmente, e se quiserem podem deixar também o vosso testemunho.

Fiquem atentas, é já amanhã!

8.jpg

Das coisas que não são para mim

Existem várias coisas nesta vida que eu não entendo, por muito incrível que vos possa parecer, uma delas remetem-me para o estado civil que se coloca, ou não, no Facebook.

"Numa relação aberta"! Pergunto eu, sabendo mas fazendo-me de sonsinha, que treta é essa?? Já me estou a imaginar num diálogo com o meu namorado em frente ao Facebook:

EU: Bem já que estamos juntos se calhar até era fixe alterarmos o nosso status civil aqui no Facebook para que todos os meus amigos, os teus amigos e os amigos do teus amigos e os amigos dos meus amigos saibam (mega sorriso de felicidade).

ELE: Sim podemos meter que estamos numa relação aberta, o que achas? (mega sorriso parvo).

EU: O que é que é uma relação aberta? Eu dou-te as chaves da minha casa e tu entras quando quiseres? (mega sorriso de dúvida).

ELE: Não é bem isso... Sabes... É tipo.... Estamos juntos quando queremos, estás a perceber? (mega sorriso parvo).

EU: Sim claro, mas isso é uma relação (mega sorriso de felicidade).

ELE: Quer dizer mais ou menos... É do estilo eu posso estar com outras pessoas e tu também (mega sorriso parvo).

EU: Ah basicamente é qualquer coisa como podemos andar com a testa enfeitada mas não há problema porque ambos sabemos, é isso certo? (mega sorriso enraivecido).

ELE: Sim.. Quer dizer... Espera aí ainda não acabei de falar, aonde é que vais? Volta aqui, deixa-me acabar de explicar...

EU: .... dedo do meio....

Não critico nem julgo quem o faça, eu não sou ninguém para criticar ou julgar quem seja, mas na minha perspectiva, que vale tanto como a dos outros, ou se está num relação ou não se está, ou se quer estar só com uma pessoa ou não se quer, ou se gosta ou não se gosta. É oitcho ou é oitchenta, comigo o oitchenta e otcho não funciona, chamem-me cota, chamem-me quadrada, chamem-me tradicional, chamem-me ciumenta, chamem-me possessiva, aliás chamem-me o que quiserem porque eu não vou ouvir mesmo!

Mal por mal mais vale não colocar o nosso status civil numa rede social.

 

Carta aberta à Maria

Olá Maria Leal.

Honestamente, e peço perdões por tal, eu não sei quem tu és, segundo me contaram és uma ex-namorada de outro alguém que também não sei quem é, mas eu apenas te quero deixar aqui umas palavrinhas, ou uns conselhos como preferires, não estou aqui para te julgar, longe disso, que me caía um raio em cima e me parta em quatro se é esse o meu propósito!

Sabes uma coisa Maria? Quando era pequenina queria ser bailarina mas não tinha lá muito jeito para dançar por isso deixei essa ideia de parte, depois disso quis ser professora mas a minha falta de paciência para lidar com pessoas acabou por terminar com esse meu sonho, mais tarde quis ser médica mas depressa percebi que o excesso de sangue e de vísceras não me iriam fazer feliz, acabei por também deixar isso de lado. Hoje em dia tenho um trabalho do qual gosto muito, quase tanto como tu gostas do teu trabalho, acho que a única diferença entre nós é que provavelmente eu tenho mais jeito para o meu trabalho do que tu para o teu. Nem sempre o que sonhamos está ao alcance das nossas capacidades, além de tudo o que já disse que queria ser quando era pequenina vou-te confidenciar algo que queria ser agora em grande: a mulher do Brad Pitt  Mas eu sei que isso não vai suceder porque é apenas um sonho, e se o sonho comanda a vida, o discernimento também o deveria fazer...

Não te estou a criticar, atenção, mas tens que admitir que "cantar" não é bem a tua praia, fazer playback também não, dançar: tá quieto oh bicho!

Eu pessoalmente aconselhava-te a enveradares por um trabalho ou carreira no qual tivesses mais jeito, sinceramente mais jeito do que isto não é difícil, tens que admitir....

 (Vídeo retirado Daqui)

Espero que não encares este post como uma crítica negativa mas sim como uma crítica construtiva, vais ver que vais encontrar o teu verdadeiro ser, o teu verdadeiro "eu" e o teu verdadeiro rumo! E que nós não nos vamos cruzar com ele

Fui à Primark num feriado e sobrevivi para contar

Retirado da saga "Fui a um Shopping num feriado" relatado e sofrido por mim ontem Aqui apresento-vos o episódio seguinte:

Fui à Primark num feriado e sobrevivi para contar!

Ir a um Shopping num feriado é duro, não é para fracos, só os mais fortes o conseguem fazer, apenas os mais fortes resistem!

Como a maioria saberá a Primark é uma loja bastante grande que oferece uma grande variedade de artigos de vestuário, também saberão que a qualidade é proporcional ao preço, mas temos que admitir que não é em qualquer loja que conseguimos comprar um pack de 10 pares de cuecas por 4.50€, também é verdade que dessas 10 apenas 4 sobrevivem intactas à segunda lavagem, mas isso já é outra conversa.

Ontem aventurei-me a ir à Primark, ontem feriado, ontem início do mês, sim eu sou uma ingénua eu sei, ou uma parvinha como preferirem, ou uma completa maluca, já nem eu sei descrever-me....Aventurei-me eu e mais umas 95 famílias à mesma hora.... Só eu sei o que sofri quando passei nos corredores das t-shirts a 4.00€, dos casacos a 10.00€, das calças a 6.00€ e por aí adiante. Foi duro, foi muito duro...Assisti à discussão de duas senhoras que queriam a mesma camisa tigresse em tons de rosa quando tinham outras 10 iguais à frente da fronha, ao arrastar dos homens que tentam acompanhar as esposas, e só estorvam quem quer ver ou somente passar, casais com carros de bebés a mandar stickadas nos tornozelos de quem se atravessava à frente, uma criança que não gostou da proposta de casaco dos pais, e para além de o ter mandado para o chão ainda o espezinhou, sob o olhar enternecido dos progenitores que só diziam a sorrir "Oh Carminho meu amor isso não se faz".

Fui pisada, fui empurrada, fui esmagada, fui "acotovelada" na cara e só me faltou um bocadinho assim para ser esmurrada...

Com isto tudo saí de lá com seis nódoas negras, quatro pensos nos pés, com a cara inchada e 13.00€ mais pobre!

Mas mais importante do que isso tudo: sobrevivi para contar!

(Vídeo retirado Daqui)