Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Crónicas de uma menina da mamã

"Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas" Antoine de Saint-Exupéry

Eu practico bullying com os meus vizinhos

Quer dizer, eu e os meus vizinhos não practicamos bullying em conjunto, entenda-se, só eu com eles. E não me estou a referir aos recadinhos que por vezes lhes deixo no prédio, quero dizer aquele bullying que eles têm o (des)prazer de assistir todos os dias.

Como já aqui disse conduzir não é dos meus pontos fortes, estacionar também não! Pois desde que comecei a utilizar o carro com mais frequência decidi começar a treinar o meu pior pesadelo de estacionamento: estacionar de marcha-atrás!

Sempre estacionei super bem de frente, já de marcha-atrás são outros cinco minutos, por vezes até dez.... Quando tenho a sorte de sair no meu horário de saída normal, às 17 horas, chego à minha rua e estão imensos lugares vazios, eu penso logo "Boa! Vou estacionar de marcha-atrás", e é com cada razia ao carro do lado que até a mim me dói. Eu só imagino aquelas alminhas na janela a verem-me estacionar e a pensarem que é desta que lhes vou partir um farolim. Ainda não sucedeu, mas eu sei que os meus vizinhos me temem quando me vêm a chegar.... e a estacionar! 

Forever friends, só que não!

A adolescência é uma altura da nossa vida parva por defeito, quando somos adolescentes somos a modos que parvinhos, somos levados por modas, por estilos, por amigos e amigas, acreditamos que vamos ficar amigos de determinadas pessoas para o resto da vida, e em alguns casos ficamos mesmo, é a chamada idade do armário, ou como o meu grupo de amigas diziamos (e algumas continuamos a dizer) a idade do forever friends!

Quem de nós na adolescência nunca teve uma amiga que nos trocava por um namorado da altura? Quase todos, certo?

Quem de nós em adultos e com alguma maturidade pensa que isso vai suceder novamente? Poucos, correcto? Pois desenganem-se porque sucede!

Na minha modesta e provavelmente parva opinião, os amigos têm uma "duração" maior do que os "namorados de ocasião", para certas pessoas nem por isso! Ainda existe aquele tipo de pessoas que dão um rim para não ficarem para tias, nem que para isso tenham que abdicar dos verdadeiros amigos, porque sabem que se as coisas derem para o torto têm sempre a quem recorrer, têm sempre quem lhe limpe as lágrimas, têm sempre um ombro onde chorar. Como se costuma dizer: à primeira cai quem não sabe, à segunda cai quem é parvo e à terceira cai quem quer!

O Forever Friends só funciona na nossa parva adolescência, quando somos adultos temos que ter olhos e saber realmente quem são os nossos verdadeiros amigos, os nossos reais forever friends, e os que são vão estar sempre connosco mesmo sem darmos conta, os que não são mais cedo ou mais tarde revelam-se, e há uns que se revelam uma grande m#$@!

 

E porque...

...hoje é segunda-feira, e porque acordei com os pés fora da cama, e porque acordei mal disposta, e porque hoje não me sinto bem com o que vesti, e porque não estou com disposição para trabalhar, e porque estou sem paciência para aturar gente parva, e porque este blog não é o blog da Tia Joana, e porque quem vem por bem será bem recebido e quem vem por mal nem recebido será, e porque já estou cansada deste meu ressabiamento logo às 9h da manhã.... Só tenho a dizer que "admiro" quem é assim todos os dias da semana a toda a hora! Vou só ali bater com a cabeça numa parede para ver se isto me passa...

Beijinhos fofinhos!

Ser fit #1

Ser fit não é para mim, não é a minha praia, mas de quando em vez lá me apanham na curva... Ontem estava a falar com o J. que tentou durante uma hora convencer-me a ir andar/correr com ele ao Paredão de Oeiras, depois de tanta insistência e promessas, que não sei se irão ser cumpridas, lá conseguiu dar-me a volta.

Em primeiro lugar tive que acordar às 08h30m num domingo, foi horrível, horroso mas lá consegui. Chegámos ao destino e começámos a correr em passo lento, acelerámos um pouco, depois mais um pouco, depois comecei a andar, a andar, a andar....Até que comecei a arrastar-me cada vez mais lentamente, o que me pareceram 100km, segundo consta, não passou dos 2.50km/3km... Sentei-me, amuei, não quis andar ou correr mais, quase que chorei (estou a dramatizar), o J. consegui convencer-me a andar mais um bocado, com a promessa de me levar de volta às cavalitas, nesses termos e condições óbvio que aceitei! Combinámos tentar novamente para a semana, mas com mais calma que só agora é que estou a retomar a minha carreira de fit estagnada durante alguns anos, a promessa do J. parece que vai ser cumprida, ou pelo menos assim me cheira (literalmente, cheira mesmo bem).

Agora só estou a desfalecer um bocadinho no sofá, com o tablet em riste e a mexer os únicos ossos que não me doem: o carpo, e metacarpo e os dedos, os ossos das mãos vá!