Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Crónicas de uma menina da mamã

"Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas" Antoine de Saint-Exupéry

Ser bloguer ou não ser bloguer, eis a questão

Tendo em conta que é sexta-feira, o final de uma semana de trabalho super cansativa, admito que me falta a imaginação sobre o que escrever hoje. Contudo não quero desiludir os meus seguidores e subscritores. 

 LOL, estou a brincar, a minha única subscritora sou eu própria, eu preocupava-me mais com isso se já não tivesse percebido ao longo destas três semanas, que este mundo de "bloguistas/bloguers" é um pouco elitista, que se subscrevem as páginas que ficam bem subscrever e seguem e subscrevem os pseudo-intelectuais deste "mundo" aonde quase todos têm opinião sobre os grandes assuntos da actualidade, como política, religião, futebol. dicas de maquilhagem,dicas de moda, não esquecendo os pseudo-críticos literários e cinematográficos e aqueles que "blogam" sobre todas as viagens que fazem, deixando conselhos sobre onde ir, comer, dormir e passear, blogs interessantes para quem gosta dos temas.

Obviamente que não me refiro nem me dirijo a todos os/as bloguers, até porque já li páginas bastante interessantes com os mais variados assuntos e que me prenderam a atenção. 

Não tenho a presunção que sou uma bloguer, não sou nenhuma "Pipoca mais doce" nem nenhuma "Maria Capaz" (bons blogs cada um à sua maneira, diga-se de passagem), sou apenas uma pessoa normal que decidiu criar um blog para exprimir as suas ideias: boas, más, medianas, que alguns gostam e outros nem por isso mas a vida já me ensinou na práctica, não num blog, que nunca vamos agradar a todos, NINGUÉM nunca vai agradar a todos, nem aquela tua amiga mais querida, mais amável, mais sociável, mais prestável vai agradar a toda a gente que conhecer, somos todos alvo do escrutínio público, seja aonde for, no mundo real ou neste caso, virtual.

Básica e resumidamente: não sou uma bloguer, sou só uma gaja que gosta de escrever o que lhe dá na real gana!!

 

14.jpg

 Kikas

 

Je suis Charlie, com conta, peso e medida

O Semanário satírico francês Charlie Hebdo publicou hoje uma caricatura do pequeno Aylan Kurdi, encontrado morto à beira do mar após o naufrágio do barco aonde seguia com os pais e irmão, com a seguinte legenda: “O que teria sido o pequeno Aylan Kurdi se tivesse crescido? Um apalpador de rabos na Alemanha” (Uma pequena e ligeira referência aos acontecimentos da noite de fim do ano em Colónia, aonde a maioria dos suspeitos tinha pedido asilo político ou são imigrantes ilegais).

Liberdade de expressão sim, sátiras ok, humor estou de acordo, mas caricaturar uma criança morta, não... Não de todo!

Como em tudo há que saber parar, há que saber os limites e acima de tudo há que haver respeito... Não digo o que disseram à um ano atrás quando a redacção do Charlie Hebdo foi devastada pelo ataque de um grupo terrorista, "Eles estavam a pedi-las", não, ninguém merece morrer por expor de forma humorista, satírica, ou mesmo por escrito, uma ideia política ou uma crença religiosa, mas neste caso trata-se de uma criança morta caramba! Na minha opinião que tem que haver limites e noção do que deve ou não ser alvo de sátira e "humor".

Garantidamente que nem todas as crianças Sirías se irão "transformar" em Extremistas Islâmicos, e acima de tudo vamos respeitar a memória de uma criança que faleceu em circunstâncias tão cruéis e dramáticas.

 

Je suis Charlie, com conta, peso e medida!!

 

Kikas

 

Eu adoro voar

Já escondi um amor com medo de perdê-lo, já perdi um amor por escondê-lo. 
Já segurei nas mãos de alguém por medo, já tive tanto medo, ao ponto de nem sentir minhas mãos. 
Já expulsei pessoas que amava de minha vida, já me arrependi por isso. 


Já passei noites a chorar até pegar adormecer, já fui dormir tão feliz, ao ponto de nem conseguir fechar os olhos.
Já acreditei em amores perfeitos, já descobri que eles não existem.
Já amei pessoas que me decepcionaram, já decepcionei pessoas que me amaram.
Já passei horas na frente do espelho a tentar descobrir quem sou, já tive tanta certeza de mim, ao ponto de querer fugir.


Já menti e me arrependi depois, já falei a verdade e também me arrependi.
Já fingi não dar importância às pessoas que amava, para mais tarde chorar quieta no meu canto.
Já sorri chorando lágrimas de tristeza, já chorei de tanto rir.
Já acreditei em pessoas que não valiam a pena, já deixei de acreditar nas que realmente valiam.
Já tive crises de riso quando não podia.
Já parti pratos, copos e vasos, de raiva.


Já senti muita falta de alguém, mas nunca lhe disse.
Já gritei quando deveria calar, já calei quando deveria gritar.
Muitas vezes deixei de falar o que penso para agradar a uns, outras vezes falei o que não pensava para magoar outros.
Já fingi ser o que não sou para agradar a uns, já fingi ser o que não sou para desagradar a outros.
Já contei piadas e mais piadas sem graça, apenas para ver um amigo feliz.
Já inventei histórias com final feliz para dar esperança a quem precisava.
Já sonhei demais, ao ponto de confundir com a realidade... Já tive medo do escuro, hoje no escuro "acho-me, agacho-me, fico ali".


Já cai inúmeras vezes achando que não iria me reerguer, já me reergui inúmeras vezes achando que não cairia mais.
Já liguei para quem não queria apenas para não ligar para quem realmente queria.
Já corri atrás de um carro, por ele levar embora, quem eu amava.
Já chamei pessoas próximas de "amigo" e descobri que não eram... Algumas pessoas nunca precisei chamar de nada e sempre foram e serão especiais para mim.


Não me dêem fórmulas certas, porque eu não espero acertar sempre.
Não me mostrem o que esperam de mim, porque vou seguir meu coração!
Não me façam ser o que não sou, não me convidem a ser igual, porque sinceramente sou diferente!
Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma pra sempre! 


Gosto dos venenos mais lentos, das bebidas mais amargas, das drogas mais poderosas, das ideias mais loucas, dos pensamentos mais complexos, dos sentimentos mais fortes.
Tenho um apetite voraz e os delírios mais loucos. 


Até me podem empurrar de um penhasco que eu vou dizer: 
- So what? EU ADORO VOAR!

 

Kikas

Aqui vou ser felizzzz

Um dia acordei e decidi: A partir de hoje eu sou FELIZ
Pronto!


Parece parvoíce, mas minha vida mudou, eu parei de esperar o que nem sabia que estava à espera e muito menos de aonde viria.
Parece parvo, mas é verdade:
Quem procura felicidade nem sabe o que é isso. A felicidade pode estar mesmo à sua fente. Pode ser apenas uma forma diferente de encarar a vida. Sim, porque uma mudança de perspectiva já traz felicidade.


Temos a mania de pensar que felicidade vem lá de não sei de onde ou que vem dos outros. Mas felicidade que é felicidade, tem que ser inalcançável? Não pode depender só de nós?
 
Com esta mentalidade parece que nascemos para sermos infelizes e termos um motivo para refilar com tudo de menos bom que sucede, ou não, na nossa vida. Aviso! A nossa felicidade compete-nos a nós, não podemos meter as culpas nas mãos de alguém para depois podermos dizer: "Ninguém foi capaz de me fazer feliz".

É preciso aprendermos a ter momentos de felicidade sozinhos e é aí que tudo muda. Estar acompanhado é um vício,
aprender que apenas nós chegamos para nós é a chave do segredo.

Se conseguirmos ser felizes sozinhos, veremos a curto prazo que companhia não te faltará, simplesmente porque nem todos pensam como nós, e por isso acreditam que só alguém feliz será capaz de fazê-los felizes também. Só acompanhado alguém é capaz de ser feliz.

kikas

 

Vida de suburbana

Hoje, tal como em todos os dias úteis da semana, depois de oito horas de trabalho apanhei o comboio de regresso a casa e por entre empurrões e alguns apertões, consegui arranjar um lugar sentada. Até aqui tudo maravilhoso até porque só quem é passageiro assíduo da CP sabe o quão raro é ter este previlégio, fiquei mega feliz, eu sei que parece fútil mas estar de pé num transporte público que abana por todos os lados, a ser pisada e entalada por mais 20 pessoas durante 35 minutos não é fácil, nem agradável diga-se.

Ora então, dizia eu, sentei-me e senti que havia ali algo estranho, incómodo, desconfortável, cheguei a pensar que seria da mala que coloquei ao colo, mas passado dois minutos, se tanto, a curta distância que separa Entrecampos e Sete Rios, percebi que só estava sentada em metade de um lugar... O senhor do meu lado direito estava a ocupar apenas o seu lugar já o senhor do meu lado esquerdo (doravante denominado por senhor esquerdo) estava a ocupar o seu lugar, metade do meu e ainda uns bons 50cm de chão com as suas pernas (50cm são significativos quando um comboio da Linha de Sintra vai atulhado).

Quem me conhece sabe que uma das minhas virtudes não é de todo a paciência, contudo consegui conter-me até chegar à Damaia (três paragens depois, um enorme esforço e ginástica para a minha impaciência), aí virei-me para o dito senhor esquerdo e disse-lhe "Peço desculpa poderia chegar-se mais um pouco para o seu lado, é porque eu sou pequenina mas pago um passe por inteiro e não meio passe devido ao meu tamanho, por isso julgo que tenho direito a um lugar só para mim" e sorri, o senhor esquerdo olhou para mim com desdém e proferiu um "Phunf" (?!).

Como vi que o senhor esquerdo tinha ficado desagradado com a minha observação e também não mexeu o traseiro da metade do meu lugar acrescentei "Então vamos fazer o seguinte: eu pago 41.50€ de passe a 30 dias, ora 30 dias a dividir por 41.50€ dá 1.38€ por dia, sendo que já usufrui de um lugar inteiro da parte da manhã vou-lhe cobrar 50% dos 0.69€ da minha viagem da parte da tarde o que significa que o senhor tem que me pagar 0.35€, o que já me vai dar para pagar os danos psicológicos sofridos neste percuso ou para comprar dois papos-secos, pode ser??"

É óbvio que este último parágrafo só existiu na minha imaginação, mas gostava de ter tido a coragem de o ter dito carago!! Todavia passado uma estação consegui que o senhor esquerdo se desviasse e passasse a ocupar apenas um terço do meu lugar.

Uma pequena vitória para uma pequena pessoa suburbana .

 

13.jpg

 

 Kikas

Portuguese please

Admito que não gosto de pessoas que não saibam escrever uma frase sem dar duas, três ou quatro "calinadas" na língua portuguesa, não gosto... Não acho que seja uma Edite Estrela para me estar aqui a armar "aos cucos", mas saber o básico e o essencial da nossa língua materna é o mínimo que se pode pedir a pessoas adultas e que tanto gostam de desabafar as suas mágoas em qualquer rede social.

Pessoas adultas e minimamente letradas a escrever constantemente: "gostas-te", "falas-te" ou "comes-te" (um bocado à canibal diga-se, já me enviaram um SMS a perguntar "Então já comes-te?" ao que eu respondi "Não, ainda não me deu para isso", acho que não me entenderam porque a SMS seguinte foi "Então alimenta-te"), "fim-de-semanas", "voçês" e "há-des" (parece que estão constantemente a apelar ao Deus Grego do mundo inferior e dos mortos), enervam-me, irritam-me, indignam-me!

Todos os telemóveis hoje em dia possuem a opção de "escrita inteligente", comecem a utilizá-la caramba, assim escuso de receber SMS como esta: "Esta menho vou ver o sp". What??? (Até me dá para escrever em inglês, tal não é o choque). É complicado de traduzir, e só eu sei o tempo que levei para perceber o real significado da mesma e passo a traduzir: "Esta noite vou ver o SCP" (?!), pelo menos foi isso que eu percebi.....

Outra das coisas que odeio, abomino, não suporto, faz-me cólicas inclusive são pessoas com nomes "alterados" nas redes sociais, como Cátia com K e Y = Katya, Tatiana com Y = Tatyana, Maria com Y = Mary, Sofia com Sh e Y = Sophya, e por aí adiante....Será que estas pessoas pensam que ficam super, hiper, mega fixes e cool's por terem um nome no Facebook que não corresponde ao nome com que foram registadas na Conservatória do Registo Civil?? Não amigas...Ficam com "nome" de resmengas com o intuito dissimulado e desesperado de pedir atenção alheia, lamento informar!!

Até aceito que as adolescentes (por não saberem ainda o que são na vida) utilizem nomes como "Aquela Ju" ou a "Nha de Sintra", mas em pessoas adultas é totalmente inconcebível....

 

Kikas

Farewell David

Hoje o mundo acordou com a triste notícia do falecimento de David Bowie.

Ao longo do dia em todos os meios de comunicação social e redes sociais tem-se prestado homenagem ao Camaleão do Pop/Rock que, gostando-se ou não, marcou e foi uma figura incontornável com o seu talento, carisma e individualidade.

Todos lhe quiseram deixar uma última palavra, na minha opinião, muito bem merecida.

Eu só venho prestar uma singela homenagem e dizer um até já David, foste, és e sempre serás grande. Tal como muita gente boa faleceste devido a esse grande flagelo dos nossos tempos, mas garantidamente estarás num "mundo" melhor, a deixar também aí a tua marca.

 

 

 

 .FB_IMG_1452506862964.jpg

 

Farewell David Bowie, the world will miss you.

 

Kikas

Vento ventania

Já cantava o outro :

"Vento, ventania, me leve para as bordas do céu
Pois vou puxar as barbas de Deus
Vento, ventania, me leve para onde nasce a chuva
Pra lá de onde o vento faz a curva"

Pois é carissímos o pior é que hoje quem habita nos arredores de Sintra o vento é de tal modo forte que te leva para todos os sítios que relatam a dita canção e muitos mais....

Também pode suceder o inverso e o vento, ventania levar até ti chapéus de chuva, ramos de árvores, sacos de lixo, caixotes de lixo, antenas de carros (sim eu vi isso acontecer) e um sem mais números de objectos que se encontram na rua.

Também pode acontecer, como me aconteceu a mim, seres tu próprio a ser levado pelo vento.... E não é uma boa sensação, nem bonito de se ver...

O meu conselho para hoje é: fiquem em casa! O máximo que vos pode acontecer é ver a vossa roupa voar do estendal (ah porra tenho que ir recolher a minha), e sobretudo, como é o meu caso, pessoas com menos de 50 Kg não vão nem à varanda, ainda podem ir fazer uma visita ao Castelo de Sintra (ou ao Fórum Sintra vá), sem saberem ler nem escrever.

Agora vou recolher a minha roupa e rezar a todos os meus Santinhos que o vento, ventania não me leve a lado nenhum...

 

11.jpg

 Kikas

Deixem as crianças serem crianças sff!

"O Ministério da Educação põe fim às provas finais do 4.º e do 6.º anos. Em compensação cria, já este ano, provas de aferição no 2.º, 5.º e 8.º anos de escolaridade e mantém os exames do 9.º ano."

 

Na sexta-feira passada foi comunicado através do Ministério da Educação que os alunos que estão a frequentar o 2.º, o 5.º e o 8.º ano de escolaridade vão ter de prestar provas de aferição ainda este ano letivo (faz-me tanta confusão escrever segundo as normas do novo acordo ortográfico..).

Crianças de 7 anos a frequentar o 2º ciclo e a serem sujeitas à pressão de terem de fazer provas de aferição não me parece, na minha modesta opinião, muito saudável psicologicamente para as mesmas. E brincar que também faz parte do processo de crescimento? Quando é que estas crianças vão ter tempo para brincar, para serem crianças, para puderem usufruir daquilo que eu usufrui quando tinha a idade delas e que fez de mim uma adulta (relativamente) saudável mentalmente?

"Os processos de aferição realizam-se antes da conclusão de cada ciclo de modo a poder agir atempadamente sobre as dificuldades detetadas”. Sim meu caro amigo Tiago Brandão Rodrigues mas isso qualquer professor consegur ver através de um ano letivo normal, se a criança possui ou não capacidades de aprendizagem para poder continuar e passar de ano, digo eu.

Parece-me que estamos a voltar aos tempos de antigamente, aos tempos dos nossos avós, bisavós e alguns casos até dos nossos pais, em que vamos ter que comecar a educar desde muito, muito novos as nossas crianças para elas terem a responsabilidade, a pressão, e em alguns casos, o stress de um adulto, para puderem ser "alguém na vida". Eu voltava, como disse à no parágrafo acima, aos tempos de antigamente e metia as crianças a trabalhar a partir dos 10/12 anos, para elas verem o que é bom para a tosse e que a vida não é como eles querem ou pensam! Já agora queriam brincar e não ter qualquer tipo de responsabilidade, querem ver? Já têm 7 anos, acordem para a vida!!

Eu sei que as ditas provas não contam para a avaliação por isso mesmo mais um motivo para não as fazerem e sujeitarem as crianças a tal.

Deixem as crianças ser crianças por favor, deixem-nas disfrutar da infância, deixem-nas ser felizes.

 

10.jpg

 Kikas

Já chega não??

Esta semana São Pedro começou por querer agradar a gregos e troianos neste Inverno, tivemos (muito) frio e chuva.

O frio foi-se desvanecendo aos poucos, subiram 2º num dia e mais 2º noutro, mas a chuva essa teima em não ir embora, qual sogra na casa do genro ou nora que mais odeia!

Já chega, não?

Já não basta uma pessoa não conseguir secar os quilos de roupa suja que vai acumulando (por falar nisso acho que estou a ficar sem roupa para vestir ) como também, nós "gajas" já não sabermos o que havemos de vestir e sobretudo calçar. Todas as minhas botas esta semana parece que foram enfiadas dentro de um tanque de água, tal não é o estado lastimável as quais se encontram.

E como é que nós conseguimos andar minimamente "elegantes" e apresentáveis com quispos, galochas, chapéus de chuva, cabelo todo encharcado e a maquilhagem toda esborratada devido às trombas de água que apanhamos na fronha??

 

Já chega São Pedro, já percebemos que mandas mais do que os nossos gostos e vontades.... Bahh....

9.jpg

Kikas