Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Crónicas de uma menina da mamã

"Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas" Antoine de Saint-Exupéry

Vento ventania

Já cantava o outro :

"Vento, ventania, me leve para as bordas do céu
Pois vou puxar as barbas de Deus
Vento, ventania, me leve para onde nasce a chuva
Pra lá de onde o vento faz a curva"

Pois é carissímos o pior é que hoje quem habita nos arredores de Sintra o vento é de tal modo forte que te leva para todos os sítios que relatam a dita canção e muitos mais....

Também pode suceder o inverso e o vento, ventania levar até ti chapéus de chuva, ramos de árvores, sacos de lixo, caixotes de lixo, antenas de carros (sim eu vi isso acontecer) e um sem mais números de objectos que se encontram na rua.

Também pode acontecer, como me aconteceu a mim, seres tu próprio a ser levado pelo vento.... E não é uma boa sensação, nem bonito de se ver...

O meu conselho para hoje é: fiquem em casa! O máximo que vos pode acontecer é ver a vossa roupa voar do estendal (ah porra tenho que ir recolher a minha), e sobretudo, como é o meu caso, pessoas com menos de 50 Kg não vão nem à varanda, ainda podem ir fazer uma visita ao Castelo de Sintra (ou ao Fórum Sintra vá), sem saberem ler nem escrever.

Agora vou recolher a minha roupa e rezar a todos os meus Santinhos que o vento, ventania não me leve a lado nenhum...

 

11.jpg

 Kikas

Deixem as crianças serem crianças sff!

"O Ministério da Educação põe fim às provas finais do 4.º e do 6.º anos. Em compensação cria, já este ano, provas de aferição no 2.º, 5.º e 8.º anos de escolaridade e mantém os exames do 9.º ano."

 

Na sexta-feira passada foi comunicado através do Ministério da Educação que os alunos que estão a frequentar o 2.º, o 5.º e o 8.º ano de escolaridade vão ter de prestar provas de aferição ainda este ano letivo (faz-me tanta confusão escrever segundo as normas do novo acordo ortográfico..).

Crianças de 7 anos a frequentar o 2º ciclo e a serem sujeitas à pressão de terem de fazer provas de aferição não me parece, na minha modesta opinião, muito saudável psicologicamente para as mesmas. E brincar que também faz parte do processo de crescimento? Quando é que estas crianças vão ter tempo para brincar, para serem crianças, para puderem usufruir daquilo que eu usufrui quando tinha a idade delas e que fez de mim uma adulta (relativamente) saudável mentalmente?

"Os processos de aferição realizam-se antes da conclusão de cada ciclo de modo a poder agir atempadamente sobre as dificuldades detetadas”. Sim meu caro amigo Tiago Brandão Rodrigues mas isso qualquer professor consegur ver através de um ano letivo normal, se a criança possui ou não capacidades de aprendizagem para poder continuar e passar de ano, digo eu.

Parece-me que estamos a voltar aos tempos de antigamente, aos tempos dos nossos avós, bisavós e alguns casos até dos nossos pais, em que vamos ter que comecar a educar desde muito, muito novos as nossas crianças para elas terem a responsabilidade, a pressão, e em alguns casos, o stress de um adulto, para puderem ser "alguém na vida". Eu voltava, como disse à no parágrafo acima, aos tempos de antigamente e metia as crianças a trabalhar a partir dos 10/12 anos, para elas verem o que é bom para a tosse e que a vida não é como eles querem ou pensam! Já agora queriam brincar e não ter qualquer tipo de responsabilidade, querem ver? Já têm 7 anos, acordem para a vida!!

Eu sei que as ditas provas não contam para a avaliação por isso mesmo mais um motivo para não as fazerem e sujeitarem as crianças a tal.

Deixem as crianças ser crianças por favor, deixem-nas disfrutar da infância, deixem-nas ser felizes.

 

10.jpg

 Kikas