Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas de uma menina da mamã

"Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas" Antoine de Saint-Exupéry

O bem que me sabe pelo mal que me faz

Eu sempre fui um pessoa social, social demais por vezes, mas à uns tempos atrás, à cerca de dois/três meses, decidi afastar-me completamente da vida social que levava. Frequentar espaços nocturnos semanalmente, mais aos fim de semana obviamente, já não me agradava, era sempre a mesma história, acabava por ser um "mais do mesmo" todas as sextas e sábados à noite!

Comecei a recusar afincadamente convites, comecei a dizer que não peremptoriamente quando insistiam, comecei por me isolar do mundo social, aquilo já não era para mim, já não me encaixava naquele mundo, mundo esse que nunca foi totalmente do meu agrado, ia apenas por "arrasto", mas ia....

Claro que tanto recusei até que deixaram de me convidar, eu faria o mesmo, não ia obrigar ninguém a sair contra a sua vontade!

Inicialmente soube-me pela vida estar em casa, não ter que sair quase que por obrigação, puder passar as minhas manhãs, tardes e serões em casa a fazer e ver o que me apetecesse, quando me apetecesse, às horas que me apetecesse e me desse na real gana sem me preocupar com o que tinha que vestir naquela noite (as mulheres compreendem este ponto).

Passado este tempo, que até não é assim tanto, e sabendo todos nós que quanto mais tempo estamos sozinhos mais nos dá para pensar, concluo que se calhar fui precipitada no meu total corte social.... Acho que puderia ter sido menos radical, podia ter dividido "o mal pelas aldeias", podia dizer que sim umas vezes e outras não, mas afastei-me e afastei toda a gente desse meu círculo social da minha vida e existem noites, como esta, em que me sinto só no mundo... Sinto-me desencaixada da minha própria vida...

A minha vida social no momento é practicamente o trabalho ou um jantar e/ou café e outro em que se lembram de me convidar e em que eu aceito ir.

Provavelmente é uma fase.... Mas uma fase solitária nunca é uma boa fase.

Continuo a gostar de estar em casa a ter tempo para mim, para fazer as minhas coisas, para saber viver sozinha, mas o meu lado extrovertido e social está-se a ressentir, eu estou-me a ressentir desta má decisão, ou desta decisão mal ponderada e efectivada.

Basicamente a minha vida agora resume-se a um dizer que ouvir algures: O bem que nos sabe pelo mal que nos faz!!

O que se falou por aqui

O que é que achas?

Sobre mim

foto do autor

Header by Mula
Ilustradora Mônica Crema
Follow

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D